Silêncio

April 22nd, 2007

Nada como um cross-post (original) para animar as coisas:

O do Véi já é notório, mas alguém mais está sabendo que o Noise3D está programado para fechar as portas em julho? Foi o que me disseram…

Aparentemente o problema é o de sempre: ao invés de pagar a entrada, as pessoas preferem economizar R$ 5,00 e ficar do lado de fora curtindo a música; ao invés de consumir dentro da casa, as pessoas preferem economizar R$ 0,25 ou menos e beber fora do estabelecimento. Nada contra o quem prefere economizar o fruto do seu suor, mas que se faça de maneira responsável. O que mais me entristece é que esses que mendigam pela entrada serão os mesmos que depois reclamarão que um dos melhores e mais descolados cantos de Fortaleza fechou. E se lamentarão, dirão que realmente era barato e se exonerarão da culpa que lhes é cabida. Uma pena, mas essa é a mentalidade de nossa amada cidade: provinciana. Reclamam que Fortaleza não é São Paulo mas se comportam como se estivessem indo a uma quermesse numa província de Juazeiro do Norte.

Não me entendam mal, eu amo nossa cidade. E como todo amor, ele é um pouco cego aos seus defeitos. Sei quais eles são, tenho pleno conhecimento deles, mas prefiro fingir não vê-los. O que não me impede de lamentar por eles. Até mesmo porque, depois que o nosso inferninho tiver fechado, o que restará em Fortaleza para preencher vácuo que ele criará? Amicis? Duvido: a despeito da interseção significativa dos dois públicos, as propostas das casas são bem diferentes. A Órbita, com suas pretensões de grande casa descolada e proposta de que fila grande é sinal prestígio da casa? Não, muito obrigado, prefiro sinceramente ir para o Mucuripe, pagar 25 reais só para sorrir mas saber que estou pagando por uma estrutura até mesmo barata para 25 reais, e não por um serviço de terceira categoria numa casa de segunda. Só sobra, a meu ver, o Fafi.

Aliás, aquela rua toda da Fafi tem um potencial não explorado enorme, mas não acho que alguém mais veja isso. Mesmo quem vê deve duvidar da viabilidade de tentar algo do gênero fora do circuito Dragão do Mar — até porque conseguir montar um modelo de negócio rentável no ramo de entretenimento no circuito alternativo em Fortaleza é algo que beira o impossível, que o diga o Noise.

Infelizmente é muito cômodo para mim falar disso em estando em BH. Mas quando estiver em julho em Fortaleza farei minha parte para aproveitar responsavelmente os últimos suspiros do Noise. Até lá, em sinal de protesto, que se faça barulho.

Erase and rewind

March 1st, 2007

Fazia tempo que eu não postava aqui e, já que eu estava devendo isso há algum tempo, resolvi que chegou a hora. Há muita coisa acontecendo mas pouca coisa para ser dita. De qualquer forma, aos informes.

Doutorado vai “intrigante e divertido”, obrigado. ;-)

O carnaval? Mais calmo que de costume mas bem interessante.

Space invading Garopaba - Um space invader na praia

Na verdade bem interessante. E molhado. Maldito período de chuvas…

Noutra frente o site todo migrou para um novo lugar. A antiga c9 sofreu um processo de re-estruturação e descentralização. Em outras palavras: ela foi para o saco ;-) Assim como o Sellaro, acabei vindo parar aqui na DreamHost. Não, ela não é uma solução de VPS com Xen, como eu gostaria. Não, eu não tenho acesso de root nessa máquina. Mas até que se se prove o contrário, está sim, bastante satisfatório. :-)

Essa migração não foi lá das mais tranquilas, particularmente no que diz respeito aos bancos de dados desse blog. Mesmo depois das medidas paleativas que eu tomei, o problema de corrupção de banco e dados ainda me perseguia. Aparentemente eu subestimei o tamanho da partição virtual em que os DBs ficavam e a capacidade dos spammers de gerarem conteúdo para lotar esses bancos. Por causa disso, o processo de geração automática e backups desses bancos se mostrou errático e inconsistente. O problema se mostrou grave a ponto de o último backup consistente e com conteúdo relevante ser um feito em meados de setembro de 2006. Pelo jeito que esse blog é movimentado, aparentemente não houveram grandes perdas que não pudessem ser manualmente restauradas.

Mas, como dizem os otimistas e masoquistas de plantão, há males que vêm para o bem. As coisas devem ficar mais redondas agora. Espaço em disco não será problema tão cedo, espero. Além disso a migração me forçou atualizar o código da minha script da programação d’A Obra para celulares para PHP5. Seu código ficou mais limpo, eficiente e reutilizável. Falo disso noutro momento.

Por hora é só. Olá e até a próxima.

Mano Chao – Mala Vida – Live @ Radio Buemba Sound System

Billet vor Pasárgada

July 9th, 2006

Paul van Dyk se apresentará dia 21 de julho aqui em Belo Horizonte. Espero que ele se divirta por aqui pois eu, eu vou-me embora para Pasárgada.

Lidando com falta de espaço em disco

June 15th, 2006

A C9, onde o blog fica hospedado, vez por outra sofre com problemas de falta de espaço em disco. Quando isso ocorre, não é incomum uma ou várias das tabelas do banco de dados desse blog ficarem corrompidas. Como isso estava ocorrendo com uma certa freqüência, resolvi arregaçar as mangas e tomar uma providência nada convencional para esse problema. Read the rest of this entry »

O que é isso? É um caranguejo estilizado?

June 7th, 2006

Não, não é, mas muito obrigado por perguntar :-)

***

A propósito, aquele meu patch já foi acrescentado ao Moin , na versão 1.5.3.

***

Ah! Pois é, rolou um tempo atrás outra edição do Bordel da Raquel, uma festa semestral da Comunicação Social da UFMG. Sobre ela.. bom… tudo que há para ser dito é que ir de chinelos havaianos para uma festa dessas não é uma boa idéia.

Não é de verdade não, né?

May 8th, 2006

Não, é não, é transfix!

I trust my Dealer

May 8th, 2006

Daniel Peixoto (da montage) e Eu

Show da Montage no Mary in Hell foi do caralho! Realmente, superou mas minha espectativas: os caras fazem um verdadeiro espetáculo!

Detalhe para a camisa do Noise3d :-P

Gambiarra Sound System

April 5th, 2006

Há mais de 3 semanas que eu sou um feliz proprietário de um Gambiarra Sound System.

A idéia já era antiga: usar como aparelho de som do carro um MP3 player, ipod ou discman e ligá-lo direto num módulo amplificador. Seria mais econômico do que comprar outro som bom para o carro — que seria inevitavelmente roubado. Também acabaria sendo melhor do que comprar (ou continuar usando) um toca-fitas vagabundo com sintonia manual para rádio.

O problema é que em toda auto-elétrica que eu ia sempre me faziam uma cara feia quando eu comentava sobre essa idéia. Sempre. Até o dia que eu achei o link do Gambiarra Sound System. Nessa página o cara descreve exatamente aquilo que eu queria fazer, dava os macetes, detalhes, tudo! Por sorte eu até já tinha um módulo praticamente igual ao do cara. O mais trabalhoso foi ir no centro da cidade e comprar os cabos necessários (R$ 14). A instalação propriamente dita foi feita numa auto-elétrica (R$ 30). Por sorte o cara que instalou já sabia mais ou menos do que se tratava e até a ligação dos cabos e do resto foi tranquila. Por garantia, levei meu MP3 player com dois arquivos de testes (um harmônico qualquer apenas no canal direito e outro apenas no canal esquerdo) tanto para garantir que os canais ficariam instalados corretamente como para ver o volume.

Foto das ligações entre os cabos e o módulo

A minha configuração ficou um pouco diferente da do cara: ao invés de um plug P2 “Y” e dois cabos P2-RCA eu usei um cabo P2-RCA e dois cabos “Y” RCA fêmea-2 RCA machos, como dá para ver pela foto acima. Outras fotos da instalação podem ser vistas no Flickr. Usei o mesmo esquema de ligar o “remote” do módulo no “pós-chave” — mais prático do que instalar um interruptor.

O fato é que já e sensação. ;-) Funciona perfeitamente tanto com o ipod como com o player da sandisk. Controlo o volume pelo player que estiver usando e, quando saio do carro, levo-o escondido sem maiores problemas no bolso. O módulo mesmo fica bem escondido no carro. Perfeito. Pelo que eu vi varias outras pessoas já viram essa página e também tiveram bons resultados. Até aperfeiçoaram a idéia. :-P

Updated @ 2007-12-11: Adicionei um link para os dois arquivos mp3 de teste de canal.

Updated @ 2009-02-02: O primeiro link foi movido para http://www.gebh.net/oprimo/2007/06/gambiarra-sound-system

Skype Reverse-Engineered e Freenet 0.7

April 5th, 2006

Só para constar: saiu na zeropaid uma matéria sobre um trabalho de engenharia reversa no software do Skype. Muitíssimo interessante.

Noutro front, a notícia do dia é que o Freenet 0.7 foi lançado.

Brigando contra a maré

March 27th, 2006

Não. Eu não recebi a alcunha de burocrata dos meus amigos à toa. Longe disso. No decorrer desse quase um quarto de século de vida passei muito tempo cultivando excentricidades e manias incômodas e chatas. Entretanto, isso faz com que algumas pessoas confundam certas atitudes minhas por um simples desejo por complicar coisas, pela simples vontade de ser chato. Eu até reconheço que, várias vezes, algumas das coisas que eu faço não passam disso mesmo: pura vontade de complicar. Outra vezes o que eu quero é o extremo oposto: descomplicar a minha vida.

Não, isso não é o lamento de um burocrata egoísta, mas de um cara pragmático. É simplesmente frustrante contabilizar o tempo que se perde por causa da falta de vontade alheia em aprender a usar a ferramenta certa para um dado trabalho. Isso é ainda mais incômodo quando ocorre em um ambiente acadêmico, onde as pessoas deveriam estar ávidas por aprender.

Mas não, parece que é o que ocorre é o extremo oposto. Trabalho num laboratório onde mais da metade das pessoas não usaria por vontade própria nenhuma ferramenta de controle de versão. Mesmo quando usam mostram-se incapazes de ler seus manuais. Aliás, leitura de manuais aqui parece uma arte antiga e pouco cultivada por essas bandas. Adianto até que o outrora simples, seco e eficiente RTFM perdeu toda sua graça por aqui: virou tabu, não é politicamente correto…

Vamos precisar elaborar um documento de forma colaborativa e concorrentemente? Ótimo, mas não vamos usar CVS nem subversion, porquê eles são complicados demais. Existe um trabalho de equipe para se fazer em C? Façamos assim: você trabalha dai e eu daqui e depois a gente se reúne para juntar tudo e ver se no final o Frankstein compila e funciona corretamente. Wiki? Xiii! Esse treco é uma uma excentricidade qualquer que apenas umas duas ou 3 pessoas usam… Reclamar de Top-posting então é uma briga perdida.

Mas sou brasileiro e não desisto nunca. :-P E se defender o uso de ferramentas que salvam o meu tempo (e o dos outros, mesmo quando eles não notam isso) significa ser um burocrata, então, meus caros, eu sou um maldido burocrata mesmo. Se for necessário adotar técnicas de guerrilha ou estratégias mais sutis para isso, então que seja! Continuarei brigando contra a maré.

Moving Units – Emancipation

Vortex Drops

March 21st, 2006

A Internet é uma fonte inesgotável de vortexes de procrastinação. Frequentemente, enquanto procura-se por uma dada coisa você acaba encontrando outra quase completamente desconexa da primeira mas muito, muito mais interessante. Os drops de hoje refletem isso :-)

RestAdmonitionPatch
Tudo começou por aqui. Fui ver a quantas andava a página de um patch (aceito :cool: ) que eu fiz para o MoinMoin. Daqui eu acabei indo para outra página e, via google, para…
FastCGI, SCGI, and Apache: Background and Future
Aqui segue uma boa discussão sobre FastCGI, proxies, mod_{php,python,ruby} e ambientes de execução persistente para aplicações web. Leitura de suma importância para quem anda acompanhando as últimas do mundo python… (e ruby…). O cara que estreveu esse artigo tem um blog muito bacana que apontava para…
ten great subversion tips
Artigo da ONLamp sobre dicas para subversion especialmente feitas para aqueles que recentemente migraram do CVS. E, falando em softwares para controle de versão…
NewVCS e …moving from CVS to git
Vários projetos estão migrando de sistemas de controle de versão centralizados para modelos descentralizados. E, por incrivel que pareça, o git, do Linus, parece estar ganhando momentum. E eu achando a facilidade de criar branches no subversion a melhor coisa dos últimos tempos…

E é isso ai crianças.

Yeah Yeah Yeahs – Tick

Burocracia Alheia Adiantada

March 7th, 2006

Tenho como que por prática deixar tudo para a última hora. Resolvi sair da rotina e adiantar um documento do doutorado logo de uma vez: prova de conhecimento de uma 2a. língua estrangeira (qualquer coisa aque atestasse que eu cursei mais de 120 horas-aulas de outra língua).

Até aí tudo bem. Pelos requisitos deles, eu conseguiria até para 3a. língua. Saio para a FALE, vou na secretaria dos cursos de línguas e peço por uma declaração.

– O senhor terá que pagar uma taxa de 5 reais.

– Perfeito. T’aqui.

– Não, não, o Sr. tem que tirar o boleto e o formulário pela Internet ou ir na baixa da égua.

– Qual o endereço mesmo?…

Até aí tudo bem. Mas eis que a luta mal tinha começado. Vou ao site indicado, busco por algum lugar onde poderia ter os maltitos formulários e, quando os encontro, recebo o link para onde se encontra o boleto. Mas não tão rápido, para conseguir esse boleto eu tenho que me cadastrar no serviço de cursos da faculdade, criar um login, me inscrever no curso “Taxa para declaração…” e… e nada! O site travava!

Agora me diz, precisava de tudo isso?

Update: hoje fui lá na baixa da égua pegar um simples boleto. Para tanto, como reza a burocracia, tive que enfrentar uma fila :-(

Copa de 2010 na África do Sul

March 6th, 2006

Primeiro dia no doutorado: não achava que ia me sentir feliz com uma besteira dessas.

E pela primeira vez me dei conta que tenho que planejar as coisas para daqui a 4 anos, pelo menos. Ou seja, para perto da próxima copa…

O mestre agradece

January 4th, 2006

Depois de uma longa espera finalmente o meu orientador liberou a versão final da minha dissertação de mestrado. Com isso, pude solicitar a emissão do meu diploma. Bom, foi uma batalha de quase dois anos e eu tenho muito a agradecer a muitos. Abaixo, segue o coteúdo da seção de agradecimentos. Sei que eles vêem um pouco tarde mas não não faria muito sentido fazer isso antes.

***

Foi uma longa caminhada. Tenho certeza de que muitos me ajudaram no decorrer desse percurso e que, no processo de lhes agradecer, alguns serão inevitavelmente esquecidos. A estes últimos peço desde já as minhas mais sinceras desculpas e dou meu muito obrigado.

Antes de mais nada gostaria de agradecer aos meus pais e à minha irmã, pessoas incríveis que a vida me deu a sorte e a honra de ter como familiares e amigos.

Aos professores Dorgival Olavo Guedes Neto e Wagner Meira Júnior. O percorrer desse caminho foi um processo longo e trabalhoso. Houve trechos mais atribulados do que o de costume, intercalados com léguas e léguas de árduas retas sem fim. O importante é que, findo esse processo, após ter desbravado todo esse percurso, fico feliz de ter tido vocês como guias e mentores. Além disso, gostaria de agradecer aos professores Creto Vidal, Javam Machado e Rossana Andrade por terem me preparado para essa jornada.

A todo o pessoal do POP-CE pela paciência, pela experiência, pela amizade, pelos ensinamentos e por todo o crescimento que eu tive quando trabalhei junto a vocês.

Aos camaradas João Caram de Oliveira e Roberto Jorge Dummar Filho. Os calos dessa caminhada foram todos meus mas vocês bem que compartilharam dos incômodos que vários deles causaram.

Aos “anfitriões” Camila Caram, Tia Jane e Tia Soraya, Pablo de Freitas Melo, Julia Selani Rodrigues Silva Melo, Valeria Goncalves Teixeira, Grace Carneiro Braz, Darwin Oliveira Teixeira Silveira e Rafael Takai, pela hospitalidade e por receberem com tanto carinho um cearense resmungão.

Aos “conterrâneos” e colegas Michelle Nogueira, André Luiz Lins de Aquino por me ajudarem a dar os primeiros passos dessa jornada.

Aos colegas Geraldo Antonio Ferreira, Fernando Almir Nascimento Jr, Patrícia Martins, Danielle Santos da Silva, Erikson Freitas de Morais, Wagner Ferreira de Barros, Marcelo Borghetti Soares, Ademir de Alvarenga Oliveira e Vilar Fiuza da Camara Neto pela camaradagem. Sei que compartilhamos várias das dificuldades passadas no inicio dos percursos que cada um de nós tomou e confesso que, se não fosse o apoio que demos uns aos outros nesse início, o trajeto seria mais tumultuado e muito menos agradável.

Aos colegas Cristiano Maciel da Silva, Bruno Estolano Grossi, Bruno Rocha Coutinho e Walter dos Santos Filho pela ajuda e paciência.

Aos paraenses Daniel Moutinho de Moura, Bruno Brito, Márcio Sequeira, Rodrigo e Vânia Vale e ao quase-paraense Luciano Polisseni. Nem só de trabalho vive o homem e, “égua, muleques”, vocês sabem como poucos fazer uma noite render muitas histórias.

A todo o pessoal do SPEED, em especial a André Assis Chaves George Luiz Medeiros Teodoro, Túlio Coelho Tavares, José Ismael Pereira Junior, e ao Beto e seu bar. “Tá ligado, neguim”!!!

Gostaria de agradecer também ao CNPq e FUNDEP pela ajuda financeira, indispensável nessa empreitada. Gostaria também de agradecer à WayBrasil, à Empresa de Infovias, e em especial a Ricardo Bastos, pelo suporte e pela sensibilidade à pesquisa acadêmica demonstrada ao colaborar com esta pesquisa.

Não poderia deixar de agradecer a velhos colegas e velhos amigos que, mesmo pertencendo a tempos mais remotos, mantiveram-se presentes de uma forma ou de outra e que foram de fundamental importância para que eu chegasse até aqui, quer pela simples e descompromissada amizade, que pelo exemplo de pessoa que foram para mim. Desta forma, gostaria de agradecer a Alison Sellaro Pelucio, Alex Sandro “Freud” Queiroz e Silva, Victor Campos, Viktor Saboia, Ana Shirley Ferreira da Silva, Windson Carvalho de Viana, Getúlio Fiúza e a Themístocles Mesquita.

Finalmente, jamais poderia deixar de agradecer veementemente aos todos os meus amigos e irmãos dos “Queridinhos do Vei Voyeur”, aos associados e personalidades ilustres, em especial ao Rodrigo Santos Rocha e ao Daniel Pordeus de Meneses, sem claro desmerecer a Flávia, Rommel, Clarissa, Alex José, Larissa, Jamille, Juliana, Nataly, Andrezinho, Marcus, Andréa, Samuel e tantos outros. Vocês sabem o tanto que eu prezo pela amizade de vocês, mesmo que eu não diga isso com a freqüência que eu deveria.

***

Update: Corrigi um erro grotesco de português. A tempo:Caio Fagundes, obrigado. No mais, quantos pontos eu perdi nessa redação, Oh! paladino da língua portuguesa que vasculha blogs alheios?

Exercícios e Músicas

November 24th, 2005

Tirar a poeira do blog e dizer que se exercitar escutando música melhora a sua capacidade mental, dizem os especialistas.

E é isso ai :-)

The Strokes – I Can’t Win

Semestralmente tem

November 15th, 2005

a festa do

Ingresso para a festa 'Bordel da Raquel'.

Já estou contando os dias para a de 2006.1.

Tóxicos

November 1st, 2005

Só eles podem explicar isso:

dançando no TIM Festival 2005

Talvez o fato do show do The Strokes estar muito bom também possa explicar…

The Strokes – Hard to Explain

Multicast de Feeds RSS/Atom

October 19th, 2005

A cool-thingie do dia é o feedtree: collaborative micronews delivery“. Os caras criaram uma rede P2P para disseminar feeds. Coisa fina: redes DHT, application layler-multicast, autenticação, proxies HTTP para clientes legados… Tudo muito interessante.

Tem coisas que só BH faz…

October 18th, 2005

C´es ficam ai falando de São Paulo, mas aki em Bh eh a unica cidade q vc pode ir no show da Tati Quebra Barraco, no mesmo dia em 4 lugares…

Espetáculo!
E totalmente contextualizado…
Piegas, mas emocionante!
Abraços!

um fulano da lista bh-vide
The Postal Service – Such Great Heights

Children of lesser python

October 18th, 2005

Para não ficar calado muito tempo, o link do dia é o Children of a Lesser Python. Uma ótima discussão sobre o estado das VMs (ou plataformas atuais ) para python.

The Libertines – Can’t Stand Me Now