Archive for the ‘Pão de Queijo com Rapadura’ Category

Silêncio

Sunday, April 22nd, 2007

Nada como um cross-post (original) para animar as coisas:

O do Véi já é notório, mas alguém mais está sabendo que o Noise3D está programado para fechar as portas em julho? Foi o que me disseram…

Aparentemente o problema é o de sempre: ao invés de pagar a entrada, as pessoas preferem economizar R$ 5,00 e ficar do lado de fora curtindo a música; ao invés de consumir dentro da casa, as pessoas preferem economizar R$ 0,25 ou menos e beber fora do estabelecimento. Nada contra o quem prefere economizar o fruto do seu suor, mas que se faça de maneira responsável. O que mais me entristece é que esses que mendigam pela entrada serão os mesmos que depois reclamarão que um dos melhores e mais descolados cantos de Fortaleza fechou. E se lamentarão, dirão que realmente era barato e se exonerarão da culpa que lhes é cabida. Uma pena, mas essa é a mentalidade de nossa amada cidade: provinciana. Reclamam que Fortaleza não é São Paulo mas se comportam como se estivessem indo a uma quermesse numa província de Juazeiro do Norte.

Não me entendam mal, eu amo nossa cidade. E como todo amor, ele é um pouco cego aos seus defeitos. Sei quais eles são, tenho pleno conhecimento deles, mas prefiro fingir não vê-los. O que não me impede de lamentar por eles. Até mesmo porque, depois que o nosso inferninho tiver fechado, o que restará em Fortaleza para preencher vácuo que ele criará? Amicis? Duvido: a despeito da interseção significativa dos dois públicos, as propostas das casas são bem diferentes. A Órbita, com suas pretensões de grande casa descolada e proposta de que fila grande é sinal prestígio da casa? Não, muito obrigado, prefiro sinceramente ir para o Mucuripe, pagar 25 reais só para sorrir mas saber que estou pagando por uma estrutura até mesmo barata para 25 reais, e não por um serviço de terceira categoria numa casa de segunda. Só sobra, a meu ver, o Fafi.

Aliás, aquela rua toda da Fafi tem um potencial não explorado enorme, mas não acho que alguém mais veja isso. Mesmo quem vê deve duvidar da viabilidade de tentar algo do gênero fora do circuito Dragão do Mar — até porque conseguir montar um modelo de negócio rentável no ramo de entretenimento no circuito alternativo em Fortaleza é algo que beira o impossível, que o diga o Noise.

Infelizmente é muito cômodo para mim falar disso em estando em BH. Mas quando estiver em julho em Fortaleza farei minha parte para aproveitar responsavelmente os últimos suspiros do Noise. Até lá, em sinal de protesto, que se faça barulho.

Tem coisas que só BH faz…

Tuesday, October 18th, 2005

C´es ficam ai falando de São Paulo, mas aki em Bh eh a unica cidade q vc pode ir no show da Tati Quebra Barraco, no mesmo dia em 4 lugares…

Espetáculo!
E totalmente contextualizado…
Piegas, mas emocionante!
Abraços!

um fulano da lista bh-vide
The Postal Service – Such Great Heights

Amanheceu, peguei a viola…

Tuesday, April 19th, 2005

… botei na sacola e fui viajar.

É… uma droga de saudade da CE-040, do antigo som do meu carro e da trilha sonora do Snatch. E uma inesplicável vontade de ficar escutando “ATB – Don’t Stop” sem parar (já estou na 7 vez e contando…). Dá para entender?

ATB – Don’t Stop

Mata verde

Wednesday, April 13th, 2005

Êh banzo… (homesickness para os pseudo-pescoçudos)


Na palma da minha mão tem os dedos, tem as linhas
Que olhar cigano caminha procurando alcançar
A nau perdida, o trem que chega, nova dança
Mata verde, esperança
Em suas tranças vou voar
Passarinho, vou voar

To com vontade de voltar no tempo, voltar para um canaval em Iguatu, correr de bicicleta, tomar banho de mangueira, ficar acordado esperando meus pais voltarem do baile de carnaval. De acordar para discutir quem despertou mais cedo, de ficar tirando nata do café-com-leite, de subir em árvores rápido como quem rouba na partida de esconde, de jogar bila — apenas para perder todas.

***

Minha filha? Está crescendo… devagar, mas crescendo…

Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho – Canta Coração

Pr0n channel

Friday, April 8th, 2005

Ele voltou! Aê! Adeus insônia! :cool:

Melhor de tudo foram os diálogos — nunca se diz “o canal do pornozão”, é sempre “o canal”.

“O canal” está com problemas.
– Ãhn? – ele olha para a TV e de cara vê o discreto numero 80. Ah, “o canal”… Colocaram um filtro aqui, qualquer sinal acima do canal 54 não passa.
– Cruzes! Mas quem instalou isso? Tava funcionando até sexta!
– Você já assinava “o canal” antes?
– Sim. Domingo foi que parou de funcionar.
– Estranho terem colocado esse filtro.
– Pois é. Ah… Eu ia até reclamar, a imagem “dele” é ruim…
– Fica piscando, né?
– É.
– É assim mesmo.
– Putz…
– É por causa da codificação “do canal”

Fischerspooner – Megacolon

50% menos ajuizado

Saturday, March 19th, 2005

Sangue, sugadores, bisturis, brocas, várias injeções de anestesia, 3 horas de operação e 2 dentes a menos. E isso ai comunidade, agora é sério: desde quinta passada estou 50% menos sisudo.

(Dá para notar que eu só postei isso para estreiar a minha nova instalação do wordpress, com spam-karma e tudo mais?!)

Em todo buraco tem um cearense

Thursday, March 3rd, 2005

E agora o mestrado da UFMG tem mais 3! Ainda bem, aqui estava precisando de gente que dissesse “Macho, tu tá é doido” com mais naturalidade! :cool:

A proveitando o post, vamos aos links:

Show me the code
Que se danem os zealots do SOAP, REST é o que há: fácil de implementar, direto ao ponto e compatível com tudo q for compatível com XML e HTTP 1.0
Exhibit 2.0 Preview Release
Um plugin para lá de bom para wordpress

Esses meus amigos…

Thursday, August 12th, 2004

No Fotolog do Rodrigo:

Festa Alforria da Burocracia.
“Foi um dos dias mais felizes da minha vida, quando, finalmente, Fortaleza se livrou da repartição pública ambulante chamada Tiago Macambira! Ahahahhah”

Erro 302: Fui pra fortaleza

Wednesday, July 14th, 2004

De 15 a 26 de julho estarei em Fortaleza.

Família, amigos, sol, praia, forró, Mucuripe, Órbita, carangueijadas, sotaque carregado, SomZoomSat, CE-040, telefone tocando e calor, muito calor: tudo que eu aprendi a amar, resumido e condensado em 1 semana. :cool:

É, podem morrer de inveja! :-P

Dj Marky & XRS – Rotation

Nostalgia, nas palavras de outro

Thursday, July 1st, 2004

Ele disse muito bem o que às vezes eu gostaria de gritar.

Hora “Z”

Tuesday, June 22nd, 2004

“A hora da verdade é quinta-feira, 13:13 : hora de mostrar os exames…”

Zeto, via SMS

É… estamos cada vez mais perto da hora Z :-P

Dj Tiesto – Deep Forest (live)

Corram, ele está vindo…

Friday, June 4th, 2004

Zeto está realmente vindo para cá.

Eu só digo uma coisa: ieiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! 2 cearenses e meio numa única casa – isso não vai prestar. :cool:

Será a República do Pão de Queijo com Rapadura? A casa sobreviverá a todos nós, reunidos e enclausurados entre a suas paredes? Ele inventará de mudará o canal da TV para a ESPN Brasil nos horários das minhas séries? E os vizinhos: aguentarão forró truando todo dia? A “zuada”? As risadas altas no meio da noite, quando travaremos vários death-matches de Tetrinet, Counter-Strike, e Decent? — é o novo!!

Eu sobreviverei a vinda de Zeto? E mais importante: Zeto sobreviverá a convivência diária comigo?

Façam suas apostas…
Geraldo Azevedo – Bicho de 7 Cabeças

Banzo… (domingo feliz na UFMG)

Sunday, May 23rd, 2004

Domingo no DCC, Núbia Lafayette nos fones de ouvido e a cabeça longe…

Fiz meu rancho na beira do rio
Meu amor foi comigo morar
E na rede nas noites de frio
Meu bem me abraçava para me agasalhar

Mas agora meu bem foi embora
Foi embora e não sei se vai voltar
A saudade nas noites de frio
Em meu peito vazio
Virá se aninhar

A saudade é dor pungente, moreno,
A saudade mata a gente, moreno,
A saudade é dor pungente, moreno,
A saudade mata a gente…

É, ainda bem que esses tocadores de MP3 têm modo de execução aleatório

Paul Oakenfold – Ready Steady Go (Album Version)

O banzo não tarda – mas não fere

Saturday, January 31st, 2004

Faz dois dias que uma gripe me persegue. Não reclamo. Serviu como mais uma desculpa-fu e mesmo com ela ainda fizemos uma pequena festa aqui em casa. Juntamos alguns colegas da faculdade num ambiente descontraído e divertido. Alias, a sala iluminada fracamente apenas por uma luz vermelha foi uma cena inesquecível: “Opa! Que é isso?! Virou bordel?!”

Sei que acordo hoje, já melhor, e lá para as tantas, estamos eu e o João assistindo o que diabos tivesse de bom na TV numa manhã de sábado – quase nada. Indo para a geladeira encontro uma garrafa de fanta morango – cada uma que inventam esses dias… De repente vêm aquela idéia:

- Ê João, pense que essa Fanta Morango deve ser boa com vodka.
- Ô!
- Pera aê…

E lá vou eu puxando a sempre presente garrafa de vodka da geladeira ( Smirnoff Red, pelo menos isso! ) e derramando uma dose e meia da mais cremosa e gelada vodka da casa no copo vermelho cor-de-gelatina.

10 minutos depois já estava indo para o round #2 e para o computador, escrever o resto da proposta de dissertação. Nem preciso dizer que não consegui descer uma linha que fosse desta, mas já tava indo para o 3o. copo da mistura. Na cabeça já tinha ancorado os meus fones de ouvidos e deixado tocando a última infeliz música que eu baixara. Sim, a própria do post anterior. Sério, esse Carlinhos Brown tem um pacto com o caderudo, o rabudo, Asmodeus, chifrudo, coisa ruim: já acordei o dia com a maldita música na cabeça. Um saco! Lá para as tantos puxo um dos CDs de forró que eu comprei horas antes de vir de volta para cá e que ainda estavam no plástico e coloco para tocar. E aí, eu, que estava tão bem, me lembro de casa, da praia, dos meus pais, minha irmã, meus amigos, meu quarto, do cheiro de maresia chegando pela janela pela manhã, da sensação da areia da praia nos pés, do barulho do telefone tocando incessantemente nos finais de semana, do cheiro de suor do Cantinho do Céu, da cerveja quente do Clube do Vaqueiro, do atendimento ruim de qualquer barraca de praia da Praia do Futuro.

É, o banzo tarda, não falha, mas não já não doi mais tanto quanto doía antes. É aquela história: finalmente, não há mais cacos para recolher. As coisa vão bem não por haver algo em especial que as tornem melhores, mas por não existir nenhuma razão especial para não estarem dessa forma. Engraçado me dar conta disso, engraçado quando um “Já se acostomou com a cidade?!” me faz responder com um tom de surpresa.

Mas minto, existem sim alguns cacos. Mas não foram cacos que eu joguei no meu caminho e não tenho mais paciência de simplesmente pisar sobre eles, fingir que está tudo bem e olhar para quem os jogou e fingir que nada aconteceu. Para esses cacos, o que fazer senão jogá-los de volta? Se quem os jogou achar ruim, paciência – eu também não gostei deles. Cada um que se vire com seus “cacos”.

Está chegando a hora…

Monday, December 15th, 2003

.. o dia já vem “chegando”, meu bem, eu tenho que ir embora. :-)

3 dias para a minha casa, minha família, meus amigos, minha cidade, minhas lembranças. 3 dias para andar de pés descalços pela minha outra casa, sentindo o cheiro da brisa do mar que atravesa o mangue e vem, sem escalas, até a minha janela. 3 dias para poder reler 3 vezes minhas 3 coleções de mangá. 3 dias para ficar a noite conversando com os porteiros do prédio esperando carona, sair para um forró qualquer, encher a cara, rir de tudo, rir de mim, e acabar a noite ainda cantando de galo lá no S.23, comendo “Frango, Palmito e Queijo e Milky de Maracujá com chocolate”. 3 dias para “chega e nem liga, né?!”. 3 dias para “e o mestrado?”. 3 dias pra “Você já visitou {familiar genério}”. 3 dias para chegar e sentir a falta da Duda. 3 dias para retomar todas as atividades BOFHisticas q eu deixei na configuração da moicas.3 dias para “certas coiass nunca mudam”. 3 dias para “Abraaaaaaaaaaaaaço!!!”. 3 dias para ficar um dia todo na praia conversando amenidades, vendo o dia passar, escutar o quebrar das ondas e ficar sonhando acordado. 3 dias para contar os dias para vê-la novamente. 3 dias para comer tapioca, cuzcuz, tomar cappuccino e ficar vendo o sobe e desce da bolsa na Bloomberg no café da manhã. 3 dias “cantino” na sexta, clube no sábado, fingir que vai e desistir de ir para o siqueira no domingo, sair para rodar no Dragão do Mar na segunda, ir para o Bebed’ouro na terça, Café Pagluca na quarta, Carangueijada na quinta. 3 dias para “noites em família”. 3 dias para relembra os mil e um caminhos de chegar na UFC. 3 dias de ficar pensando aquilo que podia e não foi. 3 dias para ficar procurando quando vai ser a próxima festa na pedreira, se vai ter algo da undergroove. 3 dias para fazer resgatar mp3 antigas, que embalaram sei lá quantas noites em claro. 3 dias para ficar lembrando quem fez com quem onde e quando. 3 dias para ficar olhando a Aldenora na cozinha tentando se convencer de que eu vou aprender a fazer arroz que não gruda. 3 dias para beber todos os dias, para escutar “filhinho você não acha que está bebendo demais”, prometer que eu vou voltar para o kung-fu. 3 dias para ir para a praia e ver se eu fico menos amerelo. 3 dias para ir para Canoa, rir de todas as situações que acontecem por lá, comer bem, e ganhar apostas cantando as nativas mais low-escores que aparecerem por lá. 3 meses para “bora para a Órbita”? 3 meses “para vamos calcular a média de consumo de vodka por dia por cabeça e ver quantas vodkas a gente vai comprar para o reveillon”, “– Mas você levou em conta a curva de crescimento dos reveillons passados?”, “– Ih! Não”! 3 dias pra “vou pro mar!”, “ninguém me ama”, “onde estão… ih…”, entrigas, comentários, sinuca, “me empresta o carro para comprar água no Catiroba”, e tudo aquilo que só, so, somente so acontece no Morro Branco. 3 dias pra achar super normal pedir Antartica, reclamar de quem pediu a Brahma. 3 dias para eu dizer para que eu “vou para a putaria” e não ficarem achando q eu vou sair prum puteiro comer rapariga. 3 dias para eu poder abraçar meu pai, minha mae, ficar conversando no quarto com a minha irmã. 3 dias para poder identificar meus amigos apena pelas risadas. 3 dias para “mas fulano sempre atrasa”. 3 dias para “alguém tem plazil? Vê se o Macambira trouxe”. 3 dias para achar bom por estar um calor infernal, tomar banho naquele chuveirão que tem no banheiro, ligar o ventilhador e ficar estatelado na cama, vendo o resto das coisas que ficaram ainda no meu quarto. 3 dias para sair vizitando meus avós, comer bolo com café e achar aquilo tudo muito bom, mesmo escutando as reclamações do ano passado. 3 dias para “eu sei q você e sua irmã não são muito católi…” “– Vó, eu nem cristão mais sou…”, “AAAAAHhhhhhhhhhh!!! Não!”. 3 dias para ver a minha madrinha, me econtrar com meus primos. 3 dias para “fulana te viu canto tal, ne!” “–Fulana?!”, “?!”, “Onde?!” “Canto tal…”, “Pera… eu vi fulana… uh… sério?!”. 3 dias pra comer sushi no Ito, sorteve no Juarez, para ver as garçonetes da Orbita. 3 dias para “mas você já vai?! Ficou tão pouco tempo!”. 3 dias para ficar tramando uma ida para a pŕoxima Expocrato. 3 dias pra ficar olhando os e-mails sem saber o q esperar. 3 dias para “por que eu nunca vim aqui antes?!”. 3 dias para “que diabos de sutaque é esse?! Passa 3 meses e já volta falando todo estranho”. 3 dias para poder chamar todo cara de “má” e toda menina de “mulhé” e todo mundo achar super natural. 3 dias pra Fortaleza! 3 dias!

É, vou-me embora para a minha Pasárgada. E se alguém achar isso ruim, na boa, com consideração, se mate!

Santos – Camels

But I feel good, but I feel high

Thursday, December 11th, 2003

Groove Armada – But – Feel Good
But I feel good
But I feel high
But I feel good
But I feel high

Enfim, as coisas se acalmaram e domingo passado fiz as pazes com ela – ou foi ela quem fez? Não importa. Aliás, a uma altura dessas, tirando alguns detalhes, quase nada mais importa, exceto a viagem pra casa. Faltam 8 dias para eu voltar para lá e, depois da minha família , eu só consigo pensar em uma coisa: PRAIA. Ah! Saudade da minha terra! :cool: Saudade das tardes de folga bebendo na Croco. Saudade delas…

Safri Duo – Falling High

Espécimes brasileiras

Sunday, November 23rd, 2003

Meus amigos de BH não conseguem entender o que é um “gato vei” sem que eu tenha que perder uma infinidade de tempo tentando futilmente explicar algo que apenas uma vivência plena e a experiência traz. Ainda assim, sob o pretexto de que “uma imagem vale mais do que mil palavras“, tentei traduzir aqui algumas expressões que, a primeira vista, talvez não façam o menor sentido para nossos colegas da terra dos comedores de pão de queijo e do ET de Varginha – apesar de que eu tenho certeza de que eles sabem muito bem o que duas das 3 definições a seguir significam.

Foto com um gato veis, um catraeiro e uma praia

Atentem para o buchinho, o a proximidade do elemento da caça, o detalhe da mão, e a imensidão desse oceano de Deus!

ID and T Trance 2003 vol. 1

Pausa para descanso – o eterno domingo em casa

Sunday, November 9th, 2003

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhrgh!

:-) Sentindo-se melhor? Não?!

Tunts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tunts tunts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tuntsT unts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tunts Tunts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tunts

(silencio……)

Tu tu tunts! tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tuntsT unts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tunts Tunts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts tunts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tuntsT unts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tunts Tunts-tunts, tunts, tunts tututunts tunstun tuns tunts tunts tunts tunts

[ Ficando surdo ao som de "The Chemical Brothers - Out of Control" ]

Listen – 2.2 – no toca fitas do meu carro…

Wednesday, July 16th, 2003

Só mais uma: eu já disse o quanto eu sou grato a mim mesmo por ter trazido os CDs da minha coleção LBT?! Não tem banzo que resista as “pérolas” músicais que eu selecionei para esses discos.

Hoje, no caminho de casa para a UFMG, resolvi que o humor não tava muito para escutar Crystal Method, nem nada muito eletrônico. Pinduca era pesado demais para colocar pela manhã. ;-) Coloco LBT 4 para mudar… “que diabos que eu gravei aqui mesmo?!”. Vocês não fazem idéia do susto que eu levei quando começou a tocar a primeira faixa. E é pq fui eu quem gravei

“Mu-mu-music news”

Friday, June 27th, 2003

Na falta do que dizer, colocar uma musica marrom só para marcar presença.


Belle and Sebastian – Mary Jo
Mary Jo, sitting alone
Drinking tea, she just got home
She wants, I don’t know what you want

Mary Jo, living alone
Drinking gin with the telly on
She wants

The night to follow day and back again
She doesn’t want to sleep
Well who could blame her if she wants?
The night to follow day and back again
She doesn’t want to sleep
Well who could blame her, if she sleeps?
Well who could blame her, if she sleeps?
Well who could blame her, if she’s sleeping?

Mary Jo, back with yourself
For company, keep telling yourself you’re young
It’ll happen soon

Mary Jo, no one can see
What you’ve been through
Now you’ve got love to burn

It’s someone else’s turn to go through Hell
Now you can see them come from twenty yards
Yeah you can tell
It’s someone else’s turn to take a fall
And now you are the one who’s strong enough to help them
The one who’s strong enough to help them
The one who’s strong enough to help them all

Mary Jo, you’re looking thin
You’re reading a book, “The State I Am In”
But oh, it doesn’t help at all
What you want is a cigarette
And a thespian with a caravanette in Hull

Because life is never dull in your dreams
A pity that it never seems to work the way you see it
Life is never dull in your dreams
A sorry tale of action and the men you left for
Women, and the men you left for
Intrigue, and the men you left for dead