Archive for May, 2007

C++ blues

Thursday, May 31st, 2007

C++ é uma linguagem fantástica, até a hora em que ela começa a lhe mostrar seus espinhos. Infelizmente, isso acontece com muita freqüência, o que torna programar nessa linguágem um trabalho de corno. E não são coisas complicadas (criar em tempo de execução classes usando apenas uma string com seu nome), mas as coisas simples as que mais irritam:

  • Você deve explicitamente chamar os construtores das classes pai.

    Isso é obvio mas… por quê? Se eu não estou acrescentando nenhum atributo à classe e quero preservar na classe derivada as mesmas assinaturas dos construtores da classe-pai para que re-escrever tudo? Talvez eu tenha passado tempo demais em python, onde todos os métodos (incluindo construtores) são virtuais.

  • Não se deve chamar métodos virtuais em construtores

    Novamente, depois que você adestrou seu cérebro para pensar na lógica de C++, isso também deveria parecer óbvio. Mas não parece. Isso é tão verdade que o Scott Myers tem uma entrada especificamente para isso no seu Effective C++, 3ª edição.

Fragmentos de um relacionamento

Saturday, May 26th, 2007

Após um relato de uma semana de trabalho…

— Ti, cuidado para não estafar!
— Ju, eu não tenho tempo para isso.

Hot Hot Heat – Talk to me, dance with me

Fim da BrasNet

Tuesday, May 22nd, 2007

Quando comentaram comigo “A BrasNet fechou” eu pensei, “Bom, estava demorando para o inevitável acontecer”. Quase todo mundo usa MSN e Google Talk hoje em dia. Dentre as pessoas mais novas, quase nenhuma sequer conhece o IRC. Eu faço doutorado em computação e mesmo assim poucos dos meus colegas de laboratório (muitos deles da minha idade, diga-se de passagem) nem mais sabem o que é isso. E mesmo entre os que sabem, alguns não farão idéia do que eu estou falando a menos que eu chame IRC de “mirc“.

O fato é que, ao ler o relato do mantenedor da Brasnet sobre seu fechameto, me bateu uma grande nostalgia.

Eu também usei gopher, usei o Veronica, quando na época não existia mais nada similar. Adorava fazer consultas sobre células de combustível. Ainda me lembro do meu meu primeiro contato com o IRC, que também foi pela jacaré BBS, através de um terminal ligado à RNP no CEFET-CE, em meados de 1995. No dia, a conversa que rolava no #brasil era sobre a arte de enrolar um baseado — na época, eu mal tinha 14 anos. Eu estava lá quando os canais de estados brasileiros começaram a pipocar na EFNET, estava lá quando do surgimento da BrasNET e da BrasIRC. Conheci muitos amigos meus por lá e muitos dos que hoje são meus amigos são conhecidos de amigos meus do IRC.

Uma lástima a BrasNet fechar. Como diria Regina, com ela vão memórias de “um tempo que não volta nunca mais”.