Brigando contra a maré

Não. Eu não recebi a alcunha de burocrata dos meus amigos à toa. Longe disso. No decorrer desse quase um quarto de século de vida passei muito tempo cultivando excentricidades e manias incômodas e chatas. Entretanto, isso faz com que algumas pessoas confundam certas atitudes minhas por um simples desejo por complicar coisas, pela simples vontade de ser chato. Eu até reconheço que, várias vezes, algumas das coisas que eu faço não passam disso mesmo: pura vontade de complicar. Outra vezes o que eu quero é o extremo oposto: descomplicar a minha vida.

Não, isso não é o lamento de um burocrata egoísta, mas de um cara pragmático. É simplesmente frustrante contabilizar o tempo que se perde por causa da falta de vontade alheia em aprender a usar a ferramenta certa para um dado trabalho. Isso é ainda mais incômodo quando ocorre em um ambiente acadêmico, onde as pessoas deveriam estar ávidas por aprender.

Mas não, parece que é o que ocorre é o extremo oposto. Trabalho num laboratório onde mais da metade das pessoas não usaria por vontade própria nenhuma ferramenta de controle de versão. Mesmo quando usam mostram-se incapazes de ler seus manuais. Aliás, leitura de manuais aqui parece uma arte antiga e pouco cultivada por essas bandas. Adianto até que o outrora simples, seco e eficiente RTFM perdeu toda sua graça por aqui: virou tabu, não é politicamente correto…

Vamos precisar elaborar um documento de forma colaborativa e concorrentemente? Ótimo, mas não vamos usar CVS nem subversion, porquê eles são complicados demais. Existe um trabalho de equipe para se fazer em C? Façamos assim: você trabalha dai e eu daqui e depois a gente se reúne para juntar tudo e ver se no final o Frankstein compila e funciona corretamente. Wiki? Xiii! Esse treco é uma uma excentricidade qualquer que apenas umas duas ou 3 pessoas usam… Reclamar de Top-posting então é uma briga perdida.

Mas sou brasileiro e não desisto nunca. :-P E se defender o uso de ferramentas que salvam o meu tempo (e o dos outros, mesmo quando eles não notam isso) significa ser um burocrata, então, meus caros, eu sou um maldido burocrata mesmo. Se for necessário adotar técnicas de guerrilha ou estratégias mais sutis para isso, então que seja! Continuarei brigando contra a maré.

Moving Units – Emancipation

6 Responses to “Brigando contra a maré”

  1. Pordeus says:

    De onde que tu tem quase meio século de vida seu retardado? Além de escrever mal pra cacete, ainda tá desaprendendo matemática ou então esquencendo a própria idade? Você vai fazer um quarto de século…

  2. MaCa says:

    Oops.. e é pq eu tinha visto isso na primeira correção e deixei sem corrigir.

  3. alex says:

    Guerrilha rules! Faça eles aprenderem, por bem ou por mal! :-)

  4. Pordeus says:

    Huahuahuauhaha!!

  5. Vilar Camara Neto says:

    Subversion é complicado?? Então a gente combina um dia qualquer que em 15 minutos eu te passo todas as operações básicas. Com o TortoiseSVN, as operações todas podem ser diretamente feitas pelo Windows Explorer com o botão direito do mouse. Se quiser, com mais 5 minutos a gente configura um servidor Subversion com autenticação por senha (embora não precise de servidor rodando, é só uma opção).
    Molinho, molinho. Eu uso o Subversion há mais de um ano e agora até arquivo de rascunho do Matlab vai pra repositório!

  6. MaCa says:

    Vilar, esse post todo foi escrito de modo irônico. :-D

    Todos os arquivos relevantes ao meu mestrado estão num repositório CVS e os do doutorado num repositório SVN. Eu mesmo não tenho problema nenhum em usar uma ferramenta dessas. Até o Tortoise mesmo eu já usei – mas para CVS e há uns 4 anos atrás. Já algumas outras pessoas do speed…

    Ah, e tortoise só funciona, como vc disse, no Windows Explorer. Lá no lab é tudo linux :-)

Leave a Reply