Archive for July, 2003

Attention Deficit Hyperactivity Disorder

Thursday, July 31st, 2003

Consider: ADHD is marked by an inability to concentrate on one single task at a time, a tendency to daydream, a state of mental and physical high gear, and generally not fitting in seamlessly with the rest of the teaming masses of future proles surrounding a child in his or her classroom.

ADHD@Everything2.com

Soa familiar?!

Nforce 1 X Macambira 1

Thursday, July 31st, 2003

Aparentemente resolvi o problema que eu tinha com o driver de rede proprietário (nvnet.o) para o LAN on-board da minha placa mãe nova ( AsusA7N266 VM ).

A quem interessar, fiz um pequeno relatório sobre o acontecido.

Senso de humor nerd: licensas

Wednesday, July 23rd, 2003

“If you distribute this software, you must pet a cat.”
This makes the license non-free. (Even if it didn’t, it would be cruel to people who are allergic to cats.)

Debian Free Software Guidelines (DFSG) FAQ

É psicologico

Wednesday, July 23rd, 2003

<sotaque tipo=”mineiro”>Nuh!</sotaque>

Ainda bem que acontecem coisas boas vez por outra, como essa notícia que o Sellaro postou.

Dj Marky – Tudo

Dia privada

Tuesday, July 22nd, 2003

Sabe aqueles dias em que a vontade que você tem é enfiar a cabeça numa privada e dar descarga?! Por nenhuma razão em especial, só as de sempre.

À noite, como que se fosse necessário dar um motivo para o sentimento de esgoto, me ligam para dizer que a cachorrinha da família faleceu.

É… não me venham falar de flores.

Piadas politicamente incorretas

Monday, July 21st, 2003

O pessoal da slashdot se supera, tanto na criatividade quanto na idiotice. Alguns sutis exemplos, retirados do post French Government Bans Term ‘E-Mail’

  • What’s the difference between the USA and yoghurt?
    Even yoghurt develop its own culture after a while.
  • It’s not so different from the US government promoting words and phrases like “Weapons of Mass Destruction” over “Unconventional Weapons.” Or Surgical Strike over Decapitation Strike (or better yet, Assasination).

    Or my favourite of late (in Canada anyhow) is the use of “STI – Sexually Transmitted Infection” since the word “Disease” is apparently too stigmatising.

  • For the last six years I have been living two miles from Quebec and one thing I notice is that from the french people’s POV, no matter what country you are from, either your “one of us” (French) or “one of them” (non-French).

    For the last 51 years I have been living in the USA and one thing I notice is that from the American people’s POV, no matter what country you are from, either your “one of us” (American) or “one of them” (non-American).

A próxima é uma tagline que eu avistei no forum da nvidia ( URGH! ):
“Everything is possible if you don’t know what you are talking about”

Enquanto isso, nos bastidores do GNOME

Friday, July 18th, 2003

Desde que eu mudei para o KDE em casa, no capeta, a credibilidade do projeto gnome junto a mim só tem caído. Vez por outra, o percentual de queda diário (PQD ;-) ) cresce de forma mais acentuada. Razões?! Eis uma:

I think Marco is selling himself short here. Ephy would make a respectable 1.0 release at this point. Its not perfect, it has some usability issues (bookmarks definitely being one of them), but its *well* within the range of the rest of GNOME. I can’t remember the last time it crashed.

Being a little catty… I think Ephy is currently as better than many other modules we ship with GNOME. Of course, being such a basic and important piece of GNOME functionality, its reasonable to hold a web browser to a higher standard. What I’ve seen of Ephy (and I use it as my only web browser at this point) suggests that at least from a usability perspective its full-featured and usable enough to ship as the GNOME

Seth Nickell, na lista de desenvolvedores do GNOME

Ou seja: um browser em que uma peça tão fundamental quanto os bookmarks não funciona direito é tido como um programa muito melhor do que muitos outros que fazem parte oficialmente do GNOME. Depois eu fico me questionando porque eu não mudara antes para o KDE :-/

O Galeon 1.x é realmente um dos melhores programas para linux q eu já vi, um dos melhores browsers em qualquer plataforma. Já a versão beta do novo browser tanto está um lixo (parece que o programa regrediu em relação à versão 1.x) como está demorando uma eternidade para ser terminada. Sério, pessoal do Galeon realmente errou a medida quando iniciou a mudança para GTK+ 2. Culpa deles?! Não sei. Culpa de toda essa mudança que aconteceu com o gnome 2.{x,2}/ GTK+2? Sera?! No meio a tudo isso eles aparecem com um novo browser que nem “usável” está ( suporte meia-boca para bookmarks não convence! ) e propoem tornar esse novo o default do gnome e tacar uma pá de cal na cova já cavada do galeon. Fosse eu desenvolvedor do galeon, fazia o que deveria ter sido feito a muito tempo: remover a dependência dele do gnome e fazer um browser bom, leve e eficiente usando apenas GTK+. Dava um pé na bunda do GNOME. Mas será que agora, com cova cavada, o projeto galeon vai prosseguir?! Morreu?!

Eu acho que o assassino foi o projeto Gnome, na cozinha, com o candelabro e a aparente falta de rumo em que eles se colocaram. Nem mesmo a interface dos programas é unificada, que dizer do roadmap que eles traçaram para cada um dos módulos que, em conjunto, eles dão o nome de Gnome Desktop. Falta de rumo não é ó único dos males do qual o projeto sofre: a incapacidade para abraçar projetos promissores, por vezes vista como pura arrogância, é uma outra séria falha do projeto. Tome como exemplo o Gabber/a>, um ótimo programa comunicação para Jabber, uma arquitetura aberta de Instant Messaging. É um outro exemplo de programa muito bem escrito, com uma base de usuários relativamente grande e fiel mas, como relatado várias vezes na sua lista de usuários, esnobado pelos desenvolvedores da GNOME.

Enquanto isso, pessoal do KDE vai muito bem. Konqueror está sendo utilizado como base para o navegador padrão do MacOS X. Engraçado ver como o konqueror, escrito em C++ ( dá para escutar os gemidos do pessoal da GNOME?! ) consegue fazer tão bem o que o nautilus até agora não conseguiu fazer: ser um porto para vários componentes de visualização de arquivos, um navegador descente, um file-browser completo e dinâmico e praticamente qualquer outra coisa que você possa imaginar – virou um emacs? ;-) Virei fã de carteirinha do bicho quando descobri que dava para usar SMB/CIFS e SFTP diretamente do konqueror, sem nenhuma complicação. Transfiro arquivos de casa para a faculdade pelo programa com uma facilidade e flexibiliade q nem com a linha de comando dá para conseguir.

Dj Shoe – GetYouFuckingHighMix

“Our Music, our lifestyle”

Thursday, July 17th, 2003

2:25 da manhã ( 10:58 em Calcutá, 06:28 UTC ) e eu fazendo relatórios… Escutando tunts-tunts… O que há de familiar nessa cena?!

Beam vs. Cyrus – Lifestyle (original)

Listen – 2.2 – no toca fitas do meu carro…

Wednesday, July 16th, 2003

Só mais uma: eu já disse o quanto eu sou grato a mim mesmo por ter trazido os CDs da minha coleção LBT?! Não tem banzo que resista as “pérolas” músicais que eu selecionei para esses discos.

Hoje, no caminho de casa para a UFMG, resolvi que o humor não tava muito para escutar Crystal Method, nem nada muito eletrônico. Pinduca era pesado demais para colocar pela manhã. ;-) Coloco LBT 4 para mudar… “que diabos que eu gravei aqui mesmo?!”. Vocês não fazem idéia do susto que eu levei quando começou a tocar a primeira faixa. E é pq fui eu quem gravei

Listen – 2

Wednesday, July 16th, 2003

Apenas para verificar que o descontentamento com o evento de sexta não tinha sido birra minha fui ver na lista de música eletrônica de bh que eu assino os comentários dos outros. Nada muito surpreendente: teve até “Nota oficial” da organização comentando sobre os problemas. :-|

Pelo menos e lá encontrei o link para um set muito bom na rraul: “Luiz Gustavo – Listen II”. :cool: Troféu joínha! Esse vai para a minha coleção de “músicas para escutar programando.”. A

Ah! Dica do dia, do departamento glibc_não_é_tão_mãe:

Se for programar em C, programe em ANSI C mesmo: você nunca sabe quando os arquivos de 1G para verificação da corretude da sua implementação vão estar “presos” numa sun…

Luiz Gustavo – Listen II

Momentos google

Wednesday, July 16th, 2003

Olha só o que a minha galeria de fotos atraiu:

  • FOTOS DE JESUS DE NAZARE
  • galeria fotos mae de jesus
  • Álbum fotos voyeur

Sem comentários…

Eu não sei pq eu tento…

Monday, July 14th, 2003

Sabado a noite foi um inferno. Não reclamo de sair só: de uma maneira estranha eu até gosto. Não reclamo de não ser carona e não poder beber o tanto que eu queira. Não reclamo de não fazer juz às credênciais de queridinho não leogarotando praticamente nada. Agora, não tolero ter que esperar. Não tolero atrasos, principalmente quando eu paguei, e muito, pelo evento. 1:30 da manhã e ainda não tinham começado as apresentaçôes dos DJs. Música de elevador tocando – era pra dormir?! Ah! Sangue sobe e, tendo o que fazer no dia seguinte, volto para casa completamente frustrado – irado.

Mas o que aconteceu ontem, hoje, perdeu completamente a importância: reagi a um assalto. Foi meio besta, mas nunca reagira a um assalto, pricipalmente quando quem estava sendo assaltado era outra pessoa. Pior que não fiz completamente nada pra ajudar o pobre coitado do menino que perdeu a bicicleta… Digo, corri atrás do cara, gritei o “Pega ladrão!” mas dava para ter metido porrada. Dava?! Dava. “Mocinha”. Curisidade: o assalto foi a 10 metros da portaria do quartel do corpo de bonbeiros, onde estava tendo um campeonato de Kung-fu.

Cabeça quente, frustrações martelando, nada como um bom CD pra tentar mudar o humor. Os escolhidos foram os fulanos do “Sapatos Bicolores”. Muuuito bom o som deles. Quem se interessar, tem um artigo sobre eles aqui, outro aqui e aqui. A gravadora dos caras é a Monstro Discos. Tem até uma seção de MP3 por lá. vale a pena dar uma conferida. Pela que não tem material dos caras.

Sorte no Amor, Azar no jogo

Sunday, July 13th, 2003

Links:

Scooter – Pulstar

“We call it techno…”

Tuesday, July 8th, 2003

O poder que música tem é uma coisa incrível: é capaz de mudar o seu humor, de transformá-lo, moldá-lo. A música certa traz a tona a memória aquele filme, daquela festa, daquela pessoa, daquele ano, daquele momento, daquele sentimento. Uma boa combinação de BPMs, de graves e agudos, baixos e violinos, pianos e baterias, timbals e vilocelos, e você esquece de tudo. Um pouco de música eletronica numa sexta-feira pode fazer você se dar conta que até a burocracia tem um limite.

Nada de ficar na rua pensando na bosta das pendências do mestrado. Não mais! É verdade que ser um queridinho implica em ser um fulano bem sucedido, do tipo “Você já terminou faculdade?! Nossa… Mas me diz ai, você conhece algum cursinho bom?” e, “Até fulana?! Po! Deixa uma pros outros” :cool: , e também aquele “Não, você não vai dormir agora não: chegou meio-dia da farra por que quis, agora senta e come com a família. Que?! Comeu carangueijo de besta: senta pelo menos para sobremesa! A praia também funciona de dia, sabia?!”. Mas antes e acima de tudo, ser um QVV é ser um fulano que leogarota. E eu tinha esquecido como isso é bom. Nada que uma “veteranada” onde toque “Devil Drums” e tenha donas bêbadas não resolva.

É por isso que, até domingo dia 13, não esperem acordados: não volto. Irei cuidar dos meus botôes, da minha vida, do meu mestrado e, como que sem falta, irei leogarotar. E se eu não voltar domingo, não tenham dúvida: terei ido para a Festa de 2 anos da Agência Filtro, na Matox. E pouco importa como que diabos é esse local e quem são os Djs dessa agência, contanto que seja barulhento o bastante para que eu não escute meus próprios pensamentos de repartição.

Chega de burocracia! Alforria já!

quem não tem cão, recompila kernel domingo a noite

Monday, July 7th, 2003

“Se dependesse de mim estaria agora completamente bêbado numa rave em Ibiza, com uma dona toda suada e de biquini se esfregando em mim mas… quem não tem cão, recompila kernel domingo anoite”

E foi com esse bom humor que eu retruquei a um sábio conselho. Idiotice, eu sei. Teimosia, como sempre. Mas como eu não segui o conselho, meu bom humor está cafa vez mais minguado, e a tendencia é de queda.

Para quem não sabe, resolvi deixar o capeta, meu desktop, mais demoníaco: fiz um upgrade dele para uma A7N266-VM. Coloquei um Duron 800, o que, diante do antigo K6-2 500, é um salto tecnológico imenso! Sai sexta-feira passada, todo animado, dinheiro em mãos para comprar a maldita placa e memória, volto pra casa todo alegre com o novo brinquedo. A êxtase era tamanha que me dei até ao trabalho fazer algo que eu detesto: abrir o micro. Desmontei a placa antiga, fonte, recoloquei os suportes fixadores nos devidos lugares para acomodar melhor a nova placa, etc. Perdi um tempão até me dar conta de configurar a placa para a freqüência do processador, mas blz! Finalmente, depois disso tudo, a parte divertida: recompilar o kernel!

Como bom debian-user, fiz meu novo kernel: make-kpkg --config=menuconfig --revision=tmacam.1.5.k7 --added-patches=preempt,lowlatency --added-modules=i2c,lm-sensors,alsa-drivers kernel_image modules_image

Depois, compilei os modulos de rede proprietados da nVidia para a minha placa. Blz! Depois compilo os modulos proprietários ( mais! ) para o X – apt-get install nvidia-kernel-source nvidia-glx-source. Blz! Compilo esses tb. Rebooto novamente. E ai?! Tudo rápido, voando, quase uma ejaculação precoce?! Que nada… O micro brochou geral!

O capeta estava leeeeeeeento – leeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeentoo. O Xmms engasgava! Como se nem com um k6-2 500 ele engasgava vem engasgar com um duron 800?! Chegava ao cúmulo do wget ficar pegando 76% da CPU! O wget! Mostrar um tooltip fazia o micro engasgar. Até escrever o inicio desse post tava insuportável: tinha delay!

Eu achava q era o patch para lowlatency, depois achava q era o gcc-3.2, achava… rapaz, achei q era tanta coisa q de tanto recompilar kernel via make-kpkg já sei a linha de comando de cor, com várias, várias opções de variação. Criei uma versão com alsa, sem alsa, sem lowlatency, outra sem preempt. O engraçado, mais engraçado, era que quando eu iniciava o micro num kernel antigo, compilado para i386, eu podia colocar um divix rodando, glxgears rodando, xmms tocando e o load do sistema não ultrapassava os 20%. Com os kernels novos apenas um wget rodando já fazia o xmms engasgasr, o mouse se arrastar, etc.

Depois de muitas frustrações, aparentemente consegui achar a fonte do problema: o driver proprietário para a placa de rede onboard (nvnet).O foda que essa placa onboard é o cão: tão boa quanto uma 3com ou uma intel etherexpress mas… o driver dela – so pode – estava levando meu sistema ao chão. Se eu carregasse o módulo com opção de optimizar o driver de rede para throughput o micro engasga e fazia coisas absusrdas como fazer o wget pegar até 76% da CPU (!!). Se eu colocasse para optimizar para CPU o micro trava e so volta a funcionar se eu ficasse bulinando no conector de rede – e bulinar não é mera força de expressão. Pode?! Seŕio, bulinando! Nem queiram saber o que me levou a fazer isso, nem eu seu, mas talvez o fato dele ter travado a primeira vez quando estava carregando o samba dê alguma dica. :-)

Desabilitei a placa de rede onboard, coloquei a placa antiga e não observei nenhuma instabilidade. Fiz o teste dos testes: coloquei um mplayer para decodear em 2x do tamanho original um divx, rodei um apt-get update, rodei o home bankinkg do bb no mozilla em paralelo com o galeon, deixei o xmms tocando e ainda coloquei o glxgears. Nenhum problema. Tudo redondo, redondo. Se eu tirasse o glxgears o load ficava inferior a 25%.

Er… mais um final de semana produtivo :-D

Placebo – This Picture

Diamantes são pra sempre – já os backups…

Friday, July 4th, 2003

Por poucas coisas eu tenho tanto cuidado como pelas minhas mp3s. A possibilidade de perder alguma delas, qualquer q seja, mé da calafrios. Perder um CD de backup delas então uns 4 anos atras desencadeiaria uma crise de pânico. Sério. Uma das minhas maiores preocupações antes da mudança foi ter todas as MP3 importantes copiadas em CD, o que no fringir dos ovos significava passar todas as mp3s que eu tinha mais algumas que a minha irmã tinha para uns 12 ou mais CDs – e eu ainda ia converter alguns discos da minha mãe para MP3 só para não deixar nada fora da lista.

Pois bem, fui ligar o computador anteontem e a curiosidade bateu: que CD é que está no drive?! Aperto o botão de ejetar e, numa cena quase surreal, a porta se abre e dentro dela vejo o CD ainda rodando em alta velocidade na bacia e depois pulando para o chão. Gelei. Era o CD com as mp3 de dezembro de 2002 DigitallyImported :-( Ficou todo lixado.

Bosta….

PS: Vou mudar para o WordPress no fim de, espero. Aproveitar e vou testar como o moicas aguenta o tranco.

Blur – Country House