Archive for April, 2003

UmMonteDePalavrasJuntas

Wednesday, April 9th, 2003

Eu adoro Wikis. Pode dizer: é coisa de nerd. Parece até uma daquelas obsessões (temporárias?) que o Sellaro tem, como a do Typo3: inexplicável aos olhos dos outros, deliciosamente doentia e viciante, a panacéia para todos os problemas que você não tinha e que de repente parecia sempre ter tido bem ao lado de si, algo que merece mais do que a sua simples adimiração, mas uma devoção que lhe leva a venerar e exautar as virtudes dessa maravilha da engenhosidade humana antes imaculavelmente escondida do seu conhecimento.

Não, não acho que eles sejam a melhor invenção depois do pão fatiado. Não acho sequer que eles façam muito mais do que eles se propôem a fazer. Acho apenas que eles são eficazes e simples – o que já é muito. São um exemplo clássico de design de software com uma interface KISS e do uso da prática YAGNI. Uma beleza! Sem muitas firulas, apenas o necessário para um micro-CMS. Muitas home-pages de programas possuem wikis agora – usuarios criando a documentação para usuários.

Estava até pensando em colocar um wiki aqui nesse site: tenho a maior preguiça de fazer HTMLs para cada coisa. Criava um estilo, colocaria um wiki com aquele estilo e pronto: nada de ficar perdendo tempo para fazer uma nova página, meus textos poderiam ser mais dinâmicos, fluidos, etc. Claro – seria um wiki protegido contra a edição dos outros. Não vejo como fazer diferente disso. Por outro lado as vezes parece não ser a ferramente certa para o que eu quero. O pessoal da MeatBall provavelmente reclamaria de qualquer uma das escolhas – otimo Wiki sobre metacultura, por sinal…

Mas colocarei. Ajeitarei mais uma vez o template desse blog. Farei algo útil. Mas não agora. E aproveitando o post, links do dia:

Onde estão as séries?!

Monday, April 7th, 2003

Muita gente anda perguntando:

- Tiago, onde estão as famosas séries?! Cadê a Vivendo e Aprendendo, a Como falar gato vei em…, e tantas outras?!

Bem, caros colegas, elas voltaram! Não sei se eu vou criar uma categoria para cada uma delas. Acho que por agora, basta uma categoria.

Claro que um anúncio desses não poderia passar sem um post típico de alguma série. Por isso, reproduzo aqui um dito que uma amiga de um amigo meu disse, perfeito para abrir um post da série Vivendo e aprendendo…

“Figurinhas repetidas não preenchem album.

Sacaram?!

[Escutando "Sixpence None the Richer - Breathe your name"]

Deus salve o X!

Thursday, April 3rd, 2003

Reclamem, esperneiem, digam que ele possui uma arquitetura nojenta, ineficiente, gorda, genial para o seu tempo mas ultrapassada para os dias atuais. Reclamem do seu suporte a fontes arcaico. Esbravejem, vociferem, mas eu adoro, amo de paixão as maravilhas que – Buuum! – só o X pode fazer por você.

Hoje eu tinha ido para o POP-Ce, mais uma vez, para ver uns lances lá com a mudança do servidor, ler e-mails, copiar arquivos, etc e tal. Quase todas as máquinas, inclusive a minha antiga, estavam sendo usadas, exceto uma. Prontamente pego um CD do Knoppix, dou boot nele, "X :1 -query [IP da minha máquina]" e após um login, lá estava o meu desktop, pronto para ser usado: Galeon, Mutt, Gaim, tudo que um burocrata precisa para ter um dia produtivo :cool: Tudo rodando na minha antiga máquina, com as minhas configurações antigas, como se eu ainda estivesse usando a máquina antiga.

A dor do parto de MaCaCar

Tuesday, April 1st, 2003

Quando chegar a hora do parto do meu primeiro filho, vai ser uma daquelas cenas deprimentes. Provavelmente serei um daqueles caras que vaga incessantemente de um lado do outro da sala de espera, passo apressado, respiração ofegante, cabelos já completamente assanhados, suados, com os óculos já na metade do nariz ( o suor faz ele escorregar ), mãos apreensivas, olhar fixo no chao, de um lado para outro e desse para o um, sem parar. Provavelmente alguém mandaria eu parar, me acalmar e yada yada yada, ao que eu prontamente responderia com meros sons guturais, me dirigiria a máquina café, ascenderia um cigarro ( – E você fuma!!! Homem de Deus, larga isso, você está num hospital! ) e de mim apenas mais sons guturais. Se uma enfermeira passasse, seria metralhada de perguntas, dúvidas, ( – O Sr. por gentileza aguarde sentado. ). Murros e murros na parede. ( – Eu vou chamar a segurança do hospital…! ). Bravejadas, urrros.( – Pois chame essa porrra.., blarft argh!!! ) Tudo isso acontecendo e eu ainda marcando o chão com os sapatos, de um lado, para o outro…

Mas esse primeiro filho e seu parto podem esperar. O parto agora é outro. Cada dia que passa e essa maldita data que não chega. ( – Tiago! Ainda aqui! Quando é que você vai mesmo… bla bla bla bla bla bla bla bla bla sohhhh ). Uma espera entrecortada – ( – Já arrumou os livros?! CDs?! Gravou os CDs?! Falou com fulana?! Cobrou aquilo? Comprou isso? Marcou algo?! Ainda não fez nada daquilo que eu te falei? ). Não sei se é isso que mais cansa, essas férias em que eu não posso simplemente jogar tudo pro alto, pegar minha barraca, meu carro e sumir. Talvez, afinal, depois de tanto tempo sem saber o que eram férias, na oportunidade que tenho de tê-las não consigo aproveitá-las. Talvez seja só ansiedade.

Por mim, queria que tudo passasse logo. Que eu chegasse logo, que me instalasse, que me deslumbrasse com a cidadde, que me perdesse inumeras vezes nas ruas e avenidas de uma cidade mal conhecida, que eu ficasse logo em extase com as novidades, que a saudade da terrinha começasse a me incomodar feito um pequeno bicho de pé no dedinho do pé esquedo, que as luzes do novo começassem a se apagar e o brilho fosco do velho aparecesse, que eu começasse a ver defeito nas pequenas coisas, que eu começasse a ver defeito em tudo, que a nostalgia doentia me corroesse lenta e incansavelmente, que o banzo tomasse conta de tudo e que de repente eu me desse conta que, não adiantaria de nada se eu subitamente começasse freneticamente a ler livros …complicados, fazer teses, fazer juras; a queimar ervas, beber todas, beber tudo; cheirar incenso; ligar chacras, cantar mantras, por que no final, o mundo não teria mudado, eu seria o mesmo, tudo seria o mesmo que sempre foi e essa era a beleza da coisa: que eu finalmente desse o próximo passo e tudo seguisse como se tudo aquilo tivesse sido tempestade em copo d´água. Sem cacos para recolher.

Mas ainda há cacos, eu ainda estou na sala de espera, o bebê ainda não nasceu e a espera entrecortada continua. A formatura passou e agora eu me prendo a mais uma série de fantasmas problemáticos. Não, eu não aprendo – a burocracia tem dessas. E eu continuo querendo apenas largar tudo, seguir CE-040 até um local qualquer onde eu pararia o carro, abriria suas portas, colocaria um CD do DJ Doboy, armaria a barraca e contemplaria a incansável agonia do vai e vem do mar. Eu até faria isso – hoje! – mas MaCaCar embarcou para Belo Horizonte, com seu som, meu som, minha barraca e meu apito de formatura.

É…

[ Delirando aos sons de "Dallas Superstars - Helium" - garai da música, do clip! ]